Usamos cookies para melhorar sua navegação. Saiba mais em nosso Portal de Privacidade. Ao clicar em "Aceitar cookies", você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Mas, se preferir, escolha rejeitar.

Gerenciar cookies Aceitar cookies

Empreendedorismo

Plano de negócios: conheça os tipos e modelos

Saber de forma concreta os caminhos bons a seguir com um empreendimento é a melhor maneira de prever erros e evitar o fim de um negócio.

Homem sentado usando o computador e fazendo anotações.
O plano de negócios deve conter várias seções importantes que abrangem diferentes aspectos do negócio Crédito: Getty Images

Você sabe qual é uma das principais causas do fim de um negócio? A falta de planejamento! De acordo com um levantamento realizado pelo SEBRAE em São Paulo, cerca de 55% dos empresários entrevistados não tinham feito um plano de negócios antes de iniciarem a sua jornada como empreendedores.

O que é um Plano de Negócios?

Um plano de negócios é uma descrição detalhada e sistemática de como uma empresa planeja operar e alcançar seus objetivos financeiros e estratégicos. É um documento essencial para qualquer empreendedor que deseja lançar um novo negócio ou expandir um já existente. Nele contém as principais informações sobre uma empresa, como recursos disponíveis, estudo de mercado, segmentos de clientes e muito mais.

Apesar de ser uma ferramenta simples, ela é essencial para entender melhor a empresa e como ela está inserida no mercado. Com um plano de negócios bem elaborado, é possível analisar e enxergar com facilidade pontos importantes antes de tirar um negócio do papel, podendo até levar a mudanças de planos em relação à elaboração da marca.

Por que é importante ter um Plano de Negócios?

O objetivo principal de um plano de negócios é fornecer uma visão geral clara do que a empresa pretende fazer, como planeja fazê-lo e quais serão os resultados financeiros e estratégicos esperados. Isso ajuda a avaliar se a ideia de negócio é viável e se vale a pena investir tempo e dinheiro na sua execução.

Um plano de negócios bem elaborado pode ser uma ferramenta valiosa para a empresa, ajudando a avaliar e aperfeiçoar sua estratégia de negócios. Também pode ser usado para atrair investidores, obter empréstimos e estabelecer parcerias comerciais.

Quais os tipos de plano de negócios?

Existem dois tipos de plano de negócios mais comuns e que valem ser mencionados, são eles:

  • Plano de negócios sumário: voltado para investidores com o intuito de garantir crédito. Nesse tipo, a estrutura é sintética e resume as potencialidades do negócio, além de focar na seção financeira do plano.
  • Plano de negócios abrangente: esse é o ideal para um novo empreendimento. Isso porque contém bastante detalhes e informações, com base em dados e análise financeira, mercadológica e operacional.

Neste conteúdo, o foco é o plano abrangente, o qual é uma ferramenta importante para iniciar um empreendimento e analisar se vale a pena colocar o negócio em funcionamento.

Quais os modelos de plano de negócios?

O plano de negócios pode seguir diferentes modelos. Atualmente, existem plataformas que ajudam a criá-lo, dentre elas, uma das mais simples e eficientes é o Business Model Canvas, a qual reúne em uma única tela os principais pontos de um negócio em 9 itens.

Para a fase inicial de planejamento de um negócio, esse é um modelo fácil de organizar e enxergar o projeto. No entanto, ele não é o mais detalhado deles, devendo evoluir para algo mais completo.

Lembre-se quanto mais dados e informações conter, mais embasada será a sua análise sobre a viabilidade do negócio. Por isso, não tenha pressa, um bom plano de negócios deve demorar de um a doze meses para ser elaborado.

O modelo de plano de negócios Canvas deve ser dividido em:

  • Segmentos de clientes:Público-alvo da empresa e segmento em que será focado.

  • Proposta de valor: Indique o que a empresa quer levar ao mercado para conquistar os consumidores.

  • Canais:Em que canais os novos consumidores terão acesso aos produtos ou serviços, assim como poderão se comunicar com a empresa.

  • Relação com clientes: Forma que o negócio criará um relacionamento com os clientes.

  • Fontes de receita: Como a empresa irá ganhar dinheiro.

  • Principais atividades: Quais produtos ou serviços serão vendidos para alcançar a proposta de valor.

  • Recursos-chave:O que é necessário para colocar em prática as atividades-chave. Exemplos: recursos financeiros, humanos e intelectuais.

  • Parcerias-chave: Quais alianças de negócio podem ser realizadas pela marca, por exemplo, terceirização de funções.

  • Estrutura de custos:Como a receita será alcançada por meio da proposta de valor.

Quando se trata do modelo de plano de negócios abrangente são necessários ainda mais detalhes, como:

  • Sumário Executivo:Informações sobre o negócio, público-alvo, vantagens competitivas, principais projeções de venda e lucratividade.

  • Equipe de Gestão:um resumo das principais pessoas envolvidas no projeto em formato de organograma.

  • Pesquisa de Mercado: clientes, fornecedores, indústria, dimensão do mercado e tendências, concorrentes e dores dos clientes.

  • Análise Econômico-Financeira: projeção de vendas, margem de lucro, tempo para alcançar fluxo de caixa positivo, custos, cálculos de retorno e payback.

  • Plano de Marketing:qualidade do produto ou serviço, canais de venda e propaganda e estratégia de precificação.

  • Plano Operacional: produção e processos operacionais, regulamentação da empresa, localização, logística e ESG (Sustentabilidade ambiental, social e de governança).

Além dessas seções, o plano de negócios deve ser claro e conciso, evitando jargões técnicos e jargões específicos do setor. Também deve ser realista, apresentando objetivos e projeções financeiras alcançáveis.

Vale ressaltar que o modelo de plano de negócios abrangente é completamente adaptável e pode ser revisado em qualquer momento. O ideal é começar a construí-lo o quanto antes para que haja tempo de reestruturá-lo e, até mesmo, mudar de ideia, caso necessário.

Vale destacar que realizar um bom plano de negócios não dá a certeza de que a empresa será um sucesso completo. No entanto, de acordo com uma pesquisa realizada pela Bill Gross, essa ferramenta de análise é o quarto fator mais importante para o bom desempenho de uma startup, aumentando em 25% as chances de êxito.

Por isso, vale a pena colocar esforços e usar grande parte do seu tempo para construí-lo. Afinal, isso será um dos primeiros e mais importantes investimentos em sua empresa, evitando possíveis prejuízos.